domingo, 12 de fevereiro de 2012

Sempre fui assim: INTENSA em tudo que faço e sinto.


Sou composta por urgências:
minhas alegrias são intensas;
minhas tristezas, absolutas.
Entupo-me de ausências,
Esvazio-me de excessos.
Eu não caibo no estreito,
eu só vivo nos extremos.

Pouco não me serve,
médio não me satisfaz,
metades nunca foram meu forte!

Todos os grandes e pequenos momentos,
feitos com amor e com carinho,
são pra mim recordações eternas.
Palavras até me conquistam temporariamente...
Mas atitudes me perdem ou me ganham para sempre.

Suponho que me entender
não é uma questão de inteligência
e sim de sentir,
de entrar em contato...
Ou toca, ou não toca.”

Clarisse Lispector

Um comentário:

Sonia disse...

Tradução nada poética do texto da grande Clarisse: mergulho de cabeça em tudo que faço e sinto! Ou é ou não é! Ou oito ou oitenta e oito, como diria meu querido pai! Parece que muitas de nós somos assim, por isso às vezes, sofremos tanto!Será isso tão bom?